Os Sete Maiores Erros de Tradução na Bíblia

Os Sete Maiores Erros de Tradução na Bíblia

Os historiadores discordam sobre quando a bíblia começou a ser escrita, no entanto, de acordo com a tradição, ela foi feita por mais de 40 autores entre os anos de 1.500 a 450 a.C. O livro sagrado cristão terá sido escrito originalmente em três línguas.

A maior parte do Antigo Testamento terá sido escrito em hebraico, a língua que se falava na Palestina na época, em seguida a língua adotada nas escrituras teria sido o aramaico. Já o Novo Testamento teria sido escrito em grego, que era a língua oficial do comércio quando ele foi criado.

Escrita em tantas línguas e depois traduzida para várias outras, não é difícil de imaginar que alguns erros possam ter passado despercebidos. Depois de novas versões da bíblia serem difundidas, esses erros puderam finalmente ser corrigidos.

1 – O fruto proibido

Muitas pessoas acreditam que Adão e Eva comeram uma maçã, o fruto do conhecimento, e foi por isso que foram expulsos do Paraíso. No entanto, não há referências à fruta nas escrituras originais. Apesar disso, o erro de interpretação acabou por ser difundido e apareceu em algumas versões bíblicas.

A única referência que existe à fruta nas escrituras sagradas cristãs é que se tratava de uma fruta da “árvore do bem e do mal”. É possível que o erro tenha começado porque no inglês medieval, a palavra “apple”, maçã em português, era utilizada para se referir a todos os tipos de frutas.

2 – Serpente do diabo

Lembra-se da serpente diabólica que convenceu Eva a experimentar o fruto proibido? É referida apenas como “mais astuto do que qualquer outro animal na Terra”, ou seja, na verdade não existe nenhuma referência na bíblia que relacione a serpente ao diabo, muito menos se o termo utilizado para se referir a ele seja “Lúcifer”.

Originalmente, o termo Lúcifer não existia na bíblia, foi inventado posteriormente pelas pessoas e só depois foi incluído nas escritura, como um dos nomes usados para se referir ao anjo caído.

3 – Animais da arca de Noé

Lembra-se de como os animais entraram na arca de Noé, de acordo com a bíblia cristã? Em pares, certo? Na verdade, não foi bem assim. Segundo os escritos originais, os animais “limpos” teriam entrado na arca em grupos de sete e apenas os animais “não limpos” teriam entrado aos pares.

De acordo com as leis judaicas, existem muito mais espécies de animais limpos do que aqueles considerados “não limpos”, logo a predominância de animais divididos em grupos de sete seria maior do que aqueles divididos apenas em pares, embora seja o que tenha prevalecido nas versões mais atuais.

4 – 10 mandamentos

Na verdade, não existe uma lista exata com 10 mandamentos na bíblia. O que existia em princípio eram 14 ou 15 recomendações no livro de êxodo. Existe sim referência a um grupo de dez regras, mas elas não são mencionadas claramente nas mesmas sessões como uma lista de 10 mandamentos específicos.

Sendo assim, diferentes religiões cristãs dividem os mandamentos de maneira diferente. Na igreja católica, por exemplo, as três últimas regras compuseram um mandamento só, já em algumas religiões protestantes essa combinação é feita de outra maneira.

5 – Imaculada Conceição

Quando é feita referência sobre a imaculada conceição na bíblia não é em relação a Jesus, mas sim a Maria. Sendo assim, a mãe de Jesus é que teria sido concebida sem o pecado original de Adão e Eva e não o filho, ao contrário do que muitos pensam.

6 – Os três reis magos

Geralmente, os homens que levaram os presentes a Jesus após o seu nascimento são classificados como três, no entanto não há qualquer referência nos textos originais da escritura de que eles eram três ou de que eram reis. A única vez em que o número três aparece é em relação à quantidade de presentes levados por eles.

Isso mesmo, o que se sabe é que Jesus recebeu três presentes, mas não é possível definir ao certo a quantidade de reis, que, na verdade, também não se sabe as certo se eram reis.

7 – A profissão de Maria Madalena

Lembra-se de qual era a profissão da Maria Madalena? Desde há muito tempo que se refere que era prostituta, no entanto não há qualquer referência na bíblia de que ela exercesse a profissão. Maria Madalena, inclusive, é pouco mencionada na bíblia. A única informação que havia sobre ela é a de que Madalena foi possuída por sete demónios.