Traduções certificadas em Portugal

Traduções

Em Portugal, ao contrário do que acontece noutros países, não existe a figura do “Tradutor Certificado” ou “Tradutor Juramentado”. As chamadas “Traduções Certificadas” ou “Autenticadas” tratam-se de um documento notarial que tem como objetivo identificar o tradutor, garantir que a tradução é uma versão fiel e integral do documento original e, acima de tudo, dar à tradução a mesma validade legal do documento original.
Certificar uma tradução, não significa garantir a sua qualidade, mas sim coloca-la no mesmo patamar legal do documento original que foi traduzido.No nosso país, é possível recorrer às seguintes entidades para realizar a “certificação” ou “autenticação” de uma tradução:
Cartório Notarial português;
Conservatória dos Registos Centrais;
Conservatória do Registo Civil;
Consulado português no país onde o documento foi emitido;
Câmaras de Comércio e Indústria, reconhecidas nos termos do Decreto-Lei n.º 244/92, de 29 de outubro;
Advogados e Solicitadores.
Pode ainda ser feita por tradutor idóneo e certificada por qualquer um dos serviços ou entidades anteriormente referidas.

Assim, o serviço que um tradutor e/ou empresa de tradução facultam nesta área não é a certificação propriamente dita, mas sim o envio da mesma para uma das entidades referidas acima, onde esse serviço será realizado.
Também é importante ter em atenção que existem vários tipos de certificação e que a mesma solução não se adapta a todos os clientes:

Tradução certificada em notário, em Portugal.

Este tipo de certificação é válida em Portugal. No estrangeiro, poderá não ser aceite.

Tradução certificada em notário, em Portugal, com a certificação traduzida para a língua do país de destino da tradução ou para inglês.

O documento do notário pode ser traduzido para outra língua. Nem todos os notários prestam este serviço.

Tradução certificada em notário, em Portugal, com Apostilha de Haia.

A Apostilha de Haia é solicitada junto da Procuradoria-Geral da República e certifica a legalidade do documento notarial junto de entidades de países que assinaram a Convenção de Haia. Atenção: se o documento a traduzir for um documento oficial que necessite, só por si, da apostilha, pode ser necessário pedir duas apostilhas: para a tradução e para o original.

Tradução certificada junto da embaixada do país de destino da tradução.

Este processo é necessário para países que não assinaram a Convenção de Haia que regula a Apostilha. Nalguns casos, os países exigem certificação em notário, uma certificação intermédia numa Câmara de Comércio ou no Ministério dos Negócios Estrangeiros português e ainda a certificação em Embaixada (ou uma combinação destes passos).

Caso tenha alguma questão ou pedido específico, não hesite em contactar-nos e teremos todo o prazer em ajudá-lo/a!