Dia Mundial do Livro – 5 Sugestões de Leitura de Tradução e Linguística

No dia 23 de abril, comemora-se o Dia Mundial do Livro. Para assinalar a data, damos a conhecer uma pequena seleção de livros que levantam um pouco o véu sobre os segredos e técnicas do vasto mundo da tradução e da linguística.

Palavras que o Português Deu ao Mundo – Viagens por sete mares e 80 línguas  de Marco Neves

Que palavras das palavras das outras línguas são palavras do português? Sabia que, para alguns povos, «laranja» e «Portugal» são sinónimos? E que, nas Caraíbas, há uma língua muito próxima do português?

Esta é uma extraordinária volta ao mundo à procura das palavras que lhe demos. Encontramo-las no inglês, num fruto na Roménia, numa livraria em Nairobi, nas Maldivas, na boca dos árabes e dos japoneses… e em tantos outros lugares incríveis! O português é uma língua de que há ecos nos quatro cantos do mundo. Para lá dos seus falantes, muitos povos usam palavras de origem portuguesa sem o saberem.

E o leitor? Sabia que é correcto escrever «porfabor» na ilha de Curaçau? E que a palavra japonesa para botão é ボタン (botan)? Há quanto tempo não faz uma viagem? Aqui tem o passaporte para embarcar numa das maiores aventuras da sua vida, uma viagem na gloriosa companhia da nossa língua, em busca das influências, das curiosidades e dos povos com que nos cruzámos na descoberta de novos mundos.

Dicionário de Dúvidas, Dificuldades e Subtilezas da Língua Portuguesa de Maria Almira Soares, Edite Estrela e Maria José Leitão

Usar a língua é transformá-la e este processo de transformação, como bem sabemos, não tem paragem. É lícito, porém, que sintamos a responsabilidade de observar, de estudar as práticas dos falantes e, confrontadas com as suas dificuldades, dúvidas, problemas atuais, queiramos contribuir para evitar o erro, fornecendo os elementos necessários a uma melhor compreensão do correto uso da língua. Assim, no início do século XXI, conscientes de sermos herdeiras desta nossa língua quase milenar, mas também elos da cadeia que a há-de deixar em herança, dedicámos o nosso interesse e esforço à realização de um trabalho que, pensamos, contribuirá para introduzir maior clareza e certeza na distinção da fronteira entre o erro e as formas legítimas e admissíveis. É este o objetivo fundamental do Dicionário de dúvidas, dificuldades e problemas da língua portuguesa. Com base no estudo, na experiência e na observação dos casos frequentes e reincidentes de atropelos ao carácter e à identidade da nossa língua, constituímos um corpus de 1385 entradas que tratámos numa perspetiva de rigor mas também de acessibilidade.

Depois de Babel – Aspectos da linguagem e tradução de George Steiner

Quando foi publicado em 1975, “Depois de Babel” causou sensação, estabelecendo-se rapidamente como um estudo controverso e inovador da teoria literária. Na edição original, Steiner deu aos leitores a primeira investigação semântica desde o século XVIII sobre a fenomenologia e os processos de tradução, tanto dentro como entre línguas. Ao encontrar problemas com a ênfase principal da linguística moderna, encontra a raiz do “Problema de Babel” no nosso instinto profundo para a privacidade e o território, realçando que cada povo tem na sua língua uma estrutura única de secretismo partilhado. Com esta tese provocadora, analisa todos os aspetos da tradução, desde as condições fundamentais da interpretação até às construções linguísticas mais intricadas.

Through the Language Glass: Why the World Looks Different in Other Languages de Guy Deutscher

A língua reflete a cultura de uma sociedade? A nossa língua materna é uma lente através da qual analisamos o mundo? Será que línguas diferentes levam os seus falantes a pensar de forma diferente?

Em “Through the Language Glass”, Guy Deutscher irá convencê-lo que, ao contrário do consenso académico dos dias de hoje, a resposta para todas estas perguntas é: sim. Um conjunto maravilhoso de história cultural e ciência popular, este livro explora algumas das questões mais fascinantes e controversas sobre a língua, a cultura e a mente humana.

The Murderous History of Bible Translations: Power, Conflict, and the Quest for Meaning de Harry Freedman

Em 1535, William Tyndale, o primeiro homem a publicar uma versão em inglês da Bíblia, foi preso e mantido em cativeiro na Bélgica. Um ano depois, foi estrangulado e queimado na fogueira. O seu ajudante de tradução também morreu queimado. Nesse mesmo ano, o tradutor da primeira Bíblia em holandês foi preso e decapitado. Estes não foram os primeiros nemo s últimos exemplos de violência extrema contra os tradutores da Bíblia. “The Murderous History of Bible Translations” conta a história incrível e sangrenta daqueles que se atreveram a traduzir a palavra de Deus.

A Bíblia é o livro mais traduzido de sempre. Atualmente, parece-nos evidente que os crentes devem ter acesso à sua literatura sagrada numa língua que consigam entender. Mas a história da tradução da Bíblia é muito mais controversa do que o bom-senso possa sugerir. As traduções da Bíblia provocaram um número de conflitos religiosos inacreditável que afetaram o mundo inteiro.

Harry Freedman descreve de forma brilhante o ardor e emoções fortes provocados quando crenças religiosas enraizadas são ameaçadas ou postas em causa. Fala da luta pela autoridade e ortodoxia num mundo onde o poder temporal estava sempre sujeito ao poder divino, um mundo onde a ideia de uma Bíblia para todos era de tal forma importante que muitos estavam dispostos a sacrificar o seu tempo, segurança e até as suas vidas para o conseguir.